14.12.05

Amália Rodrigues


Demorei anos até gostar mesmo dela. Acho que foi por excesso de portugalidade. dela. Mas depois chegou o tempo das primeiras audições despidas de preconceitos. Ouvir pela primeira vez um fado que já ouvira milhares de vezes. Ai Mouraria da velha rua da Palma onde eu um dia deixei presa a minha alma... Ai Mouraria do homem do meu encanto que me mentia mas eu adorava tanto. E mesmo sem tristeza ou fado no coração, a voz grave e aqueles volteios fizeram o seu efeito. Comprei o primeiro álbum na era dos cd's, Estranha Forma de Vida.

E então fixei vários, muitos fados, e alguns fados-canção. Aqui, podereis ouvir
Fado Português (oferenda de um marinheiro). Que estando triste cantava. Esse verso é tão bonito. ou Ai que lindeza tamanha. Falo das palavras e do acorde a saber a choro. Confesso que este poema de José Régio não me agrada no todo, e (quase) fugimos do tempo desta portugalidade. Mas a forma como Alain Oulman o musicou e a mestria da fadista tornam-no delicioso. Mas Amália cantou David Mourão-Ferreira, Alexandre O'Neill, Pedro Homem de Melo, Ary dos Santos, Manuel Alegre... excelentes poetas, que escreveram já a pensar na sua voz.

Os meus fados favoritos são os de Alberto Janes. Cheios de fatalismo (Foi Deus) ou de brejeirice popular (Vou dar de beber à dor), adoro cantá-los com Amália. Foi no domingo passado que passei à casa onde vivia a mariquinhas mas está tudo tão mudado.... Mas para me verem parar a sentir cada batida, ponham-me o Barco Negro (de Caco Velho-Piratini-David Mourão-Ferreira). Acordei tremendo deitada na areia. Mas logo os meus olhos disseram que não e o sol penetrou no meu coração... e o teu barco negro dançava na luz. Vi teu braço acenando entre as velas já soltas. Dizem as velhas da praia que não voltas. São loucas! São loucas!

3 comentários:

V.M. disse...

Amália é a Dona da palavra. Ela dá uma força à palavra que ninguém mais dá. O "Cansaço" de Luis de Macedo é cantado de uma maneira sublime. E a "Sombra" de Mourão Ferreira. E as " Raizes" de Sidónio Muralha. Adoro Amália. É excepção

Anónimo disse...

O que é diferente em Amália é a alma. Ouça-se o mesmo fado cantado por Amália ou por qualquer uma das novas vozes do fado ( Kátia, Marisa, Ana Moura, Ana Sofia Varela, etc ) e percebe-se da razão da razão de estar sepultada no Panteão Nacional.

bilhas disse...

Realmente fantástica a nossa Amália... confesso que é a prova do que temos em nós de melhor! Uma verdadeira diva... eu sou admirador desde os tempos em que mamãe me cantava o Barco Negro... é uma música que me impede de ficar sentado sem bater o pé pelo menos!