4.11.09

lembrar Malraux

"A tragédia da morte consiste em que ela transforma a vida em destino."

André Malraux
(Paris, 3 de novembro de 1901 — Créteil, 23 de novembro de 1976)


5 comentários:

nguyen claude disse...

Bonjour madame,je découvre avec surprise de la culture française sur votre site,André Malraux est un homme d'esprit et de terrain qui manque actuellement en France.
Bien cordialement votre
Claude Nguyen

Paulo disse...

Cumprimentos pela oportuna recordação. Não conheço em profundidade a obra de Malraux, mas sempre me atraiu o seu papel de intelectual comprometido no seu tempo. Penso que algumas das suas melhores reflexões (como a que transcreve)são decorrentes da trajectória da sua vida pessoal, atravessada por um conjunto de dramáticas e dolorosas circunstâncias. Bom dia

Maria disse...

Claude, il faut pas oublier l'importance de la culture française... même quand on a (tous) l'impression de déclin face au domaine anglo-saxon. Moi, je me laisse plutôt tenter par les "french", j'ai même choisi de partager ma vie avec un. :)

Merci pour vos mots si aimables.

Maria disse...

Paulo, penso que Malraux teve de facto uma vida pessoal caótica (alcool e muitas mulheres :)) mas entregou-se ao seu métier (nomeadamente como ministro da Cultura de De Gaulle) com uma rara paixão. além de escrever sobre os homens com uma sensibilidade rara. Li há pouco "A Rainha de Saba" e fiquei a conhecer o seu lado aventureiro. A viagem que fez até ao Médio Oriente é espantosa, quase mítica (como a Rainha).

Spectrum disse...

Não é fácil sintetizar Malroux. para mim, foi o grande mestre do paradoxo. é óbvio que é fácil encontrarmos um sem número de características em Malraux: provocador, inteligente, sensível e, que nos obriga a reflectir seriamente sobre o mundo que nos rodeia. se é certo que muitas algumas questões foram ultrapassadas - o colonialismo, por exemplo - também é certo que muitas outras continuam a ser pertinentes e actuais.
Beijinhos, Maria