14.11.09

1-0, 1-1, 1-2, n-n

Portugal venceu a Bósnia-Herzegovina por 1-0. Teria sido bom voltar a Mostar (ou Sarajevo) e ver lá o jogo. ou... quero lá saber do jogo. Eu tenho é vontade de voltar à Bósnia-Herzegovina. As sequências de imagens que não vou esquecer são bem melhores que passes de futebol. (ok, viva a Selecção nacional! :P)

Fotos MRF
Mostar, 2008

7 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

quando fores, diz.

também fiqueir com vontade de passr por lá.


bjo


csd

tsiwari disse...

Assim tb eu me convertia à bola...


:)*

Anónimo disse...

"Teria sido bom voltar a Mostar (ou Sarajevo) e ver lá o jogo. Eu tenho é vontade de voltar à Bósnia-Herzegovina."
Também eu, também eu... e se a vitória desse para (a)firmar a total reconciliação étnica, não me importava nada que a BiH ganhasse - por muitos golos!
[ Impossível ir a Mostar e não deixar lá um pedaço de coração, não é Maria do Rosário?]

marialice

Anónimo disse...

Só para matar saudades!

ARREPIOS DE ALMA -1
Do delta, subirás ao longo do vale verdejante, em contra-corrente. Balançando entre a curiosidade e a inquietação. Lentamente, absorvendo o ar fresco da manhã. Veias para cá, para lá; artérias para lá, para cá; até ao lugar do coração.
Postos, enfim, os pés na poeira da terra seca, sob o calor escaldante do sol e do medo, caminharás por ruelas empedradas com brancos calhaus rolados. Elas te conduzirão ao centro, até ao lugar do coração - da alma. Ei-la, a Stari Most, "lua petrificada". Assombro e fascinação. Ansiando pela sombra, molharás, então, os pés escaldantes na água límpida e fria do Neretva. Sagração. Ritual impulsivo de purificação a que não resistirás, absoluta e vital necessidade de respirar fundo, de (re)ganhar forças e coragem para erguer os olhos, encarar a realidade, os sinais dela, para além dela.
Retomarás a caminhada. Raiva. "Don´t forget 1993". Espectros de outros tempos, tão incrivelmente cruéis e sanguinários. V-E-R-T-I-G-E-M. Trevas. Melancolia e apaziguamento. Esperanças de novas eras. Luz. Claridade.
Ouvirás os sussurros. As vozes. Os "muezzin" e o toque dos sinos. Os Homens e as religiões. Verás. As casas. Os templos. As ruas. As vielas. Os cemitérios. As montanhas. A vida e a morte. A ruína e a reconstrução. A guerra e a paz. O rio. A ponte, outra vez e outra vez a ponte, o lugar do coração. Para cá, para lá. Palavras caladas. Olhares furtivos. Rostos introvertidos. Passos fugazes e silenciosos. Tímidos sorrisos, tão tímidos.

(Mostar, Mostar! Na ponte que te guarda o coração, ficou um pedaço de mim...
Em 10 de Agosto de 2008.)

M.A.P.S. - marialice

Maria disse...

Maria Alice, tenho esse texto guardado. E acho que fomos fulminadas pelo mesmo raio... :)

Lauro António disse...

Quem passa pela Bósnia-Herzegovina não passa sem (ter vontade)de lá voltar. Também a mim me apetecia lá voltar com selecção, ou sem ela.

Maria disse...

Lauro, formemos o grupo "vává-bosniando"!:)

A propósito, dá um beijo por mim à Bandida, no próximo Vává e diz-lhe que Aveiro também aguarda pela Inútil ;)