12.5.09

Morro de amor nesta rede que teço

«Menina da Ria» de Caetano Veloso. ou este «Fado Moliceiro». Neste dia da Cidade, cantemos Aveiro!

Morro de amor pelas águas da ria
Esta espuma de dôr eu não sabia
Sou moliceiro do teu lodo fecundo
Sou a Ria de Aveiro, o sal do mundo

Vara comprida
Tamanho da vida
Braço de mar
A lavrar, a lavrar

Morro de amor nesta rede que teço
E é no sal do suor que eu aconteço
Para além da salina
O horizonte me ensina
Que há muito mar
Muito mar p'ra lavrar
P'ra lavrar


"Fado moliceiro" é um fado com poema de José Carlos Ary dos Santos e música de Carlos Paredes. Do ponto de vista musical é uma obra rara. É dos poucos temas que Carlos Paredes tem com letra e interpretação vocal. Em 1983, Carlos do Carmo publica "Um homem no país". A sétima faixa do disco corresponde a este "Fado moliceiro". O disco vem na sequência de "Um homem na cidade", sobre Lisboa, propondo este novo trabalho uma viagem por vários espaços de Portugal, falando das suas gentes, trabalhos, paisagens, maneiras de ser e falar. Por morte do poeta destes dois discos - José Carlos Ary dos Santos morreria um ano depois do lançamento do disco -, não pôde realizar-se o desejo de fazer um intitulado "Um Homem no mundo".

4 comentários:

Mystic's disse...

Aveiro É LINDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

MRF disse...

Viva!

PS: És tu a profundezas?

alfacinha disse...

Adoro o texto deste fado , simples e forte na sua expressao
cumprimentos de Antuérpia

MRF disse...

Este fado é lindo! Não me surpreenda que comova alguém com casa portuguesa... em Antuérpia.

Abraço