9.10.11

Francisco José Viegas psdado

Senhor Secretário de Estado, V.Exa. criou o detective Jaime Ramos que é UMA personagem e não UM personagem!
SEC, em vez de Ministério, porque a cultura é transversal à sociedade e não se equipara à economia!!! Non sense. O rio continua a correr para o mar, pois.
O Estado deve: coordenar o património material e imaterial (inventário em curso), implementar política integrada da língua, da leitura, do livro e das bibliotecas, "cuidar" das artes tornando os criadores mais independentes, estabelecer programas de cooperação com Educação para criação de público, não esquecendo a relação da cultura com o território (mapeamento da paisagem natural). Ficamos na expectativa de uma (des)continuidade.
"Vamos valorizar os resultados das bilheteiras!" - afinal não é um critério decisivo... mas há que impor objectivos, um caderno de encargos aos Teatros Nacionais. "O repertório dos teatros tem que ser solidário com a tutela". Terrível linguagem!
Agrupamento Complementar de Empresas: para facilitar a gestão financeira, o sector de compras, etc., mas mantém-se a autonomia artística. "A cultura não será um sector de propaganda do Estado" - ao que chegamos em matéria de esclarecimentos! E ainda (a propósito dos subsídios): "a visibilidade da cultura é muito perigosa"!
Finalmente, tantos preciosos minutos a discutir a avaliação da colecção Berardo (sr. jornalista, então?)
E a máxima original: "que parte da frase é que não perceberam quando se diz (que) não há dinheiro?"
"Admite" que o governo anterior deixou um esboço para uma nova Lei do Cinema e "problema aqui é o financiamento (...), não da SEC mas do fundo, do ICA e do FICA". Ainda bem que vão resolver o problema!?
Museus: "A gratuitidade nos museus não é um bom princípio" (mas os museus não são gratuitos). Só 36% das entradas nos museus são pagas, "o que é muito pouco" (na maior parte dos museus, a maioria dos visitantes são estudantes integrados em visitas organizadas pelas escolas, ou estou enganada?). O ideal seria chegar aos 80% para que os museus se tornassem auto-sustentáveis! (perguntem à direcção do Museu de Aveiro o valor dos custos fixos só em consumos energéticos...)
Enfim, fica para memória futura___ a juntar a outras memórias. É difícil ser solidário com as diferentes tutelas!  



Pedido de ajuda ao detective Jaime Ramos: Este é o site do Ministério da Cultura de Espanha, um verdadeiro portal de promoción de las culturas de España. O equivalente português é este. Tem a foto do Secretário de Estado. Caro detective, onde está a promoção das culturas de Portugal?

2 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Ou seja neste, momento não há Ministério nem projectos e a aberração do acordo continua, ao invés do multiculturalismo que consistiria no direito à diferença.

Maria disse...

Projectos há sempre..., políticas consistentes e duradouras, com visão estratégica é que está difícil. A aberração do Acordo não é culpa dele...